#

Abertura do 17º FEMESC reúne lideranças médicas e autoridades políticas

 A abertura oficial do 17º Fórum das Entidades Médicas de Santa Catarina (FEMESC) no dia 27 de junho, em Brusque foi marcada pela presença de lideranças médicas estaduais e nacionais e autoridades políticas. Mais de 100 pessoas participaram do evento organizado pelo Conselho Superior das Entidades Médicas (COSEMESC)
O presidente da Associação Brusquense de Medicina (ABM), Jonas Sebastiani, frisou ser “um orgulho para Brusque receber as lideranças de nosso Estado para debater um assunto tão importante para a categoria, que é o envolvimento do médico com a política, e também para a sociedade”, citou.
O prefeito de Brusque, Paulo Eccel (PT), falou sobre os problemas da saúde enfrentados há pouco mais de um ano no município. “Tivemos que fazer uma intervenção no hospital Azambuja para evitar que fechasse. Gostaria de agradecer aos médicos daquele hospital que com a equipe que chegou lá lutou pela não interrupção”.
O prefeito também comentou sobre a importância da reforma política no Brasil. “Os partidos não são os culpados pelas mazelas, temos os bons e os maus. Precisamos lutar pela reforma política urgente. O país não aguenta mais a cada dois anos eleições. Não suporta mais o financiamento privado das campanhas eleitorais porque quem financia se acha dono do mandato. Mas o mandato é da população”.
Para o presidente da Associação Catarinense de Medicina (ACM), Aguinel Bastian Júnior, a compilação e o debate que é e será feito dignificam a profissão médica. “Isso repercute para o nosso maior bem que é o cidadão, pois o médico é um individuo que tem grande papel na cidadania. Vivemos um ano político, defendemos uma reforma política, queremos um Brasil justo e cidadão. O FEMESC é um grande ato de cidadania”, afirmou.
O presidente da Academia de Medicina do Estado de Santa Catarina (ACAMESC), Rodrigo d’Eça Neves, complementou destacando que o médico tem um poder de alta influência pela proximidade com as pessoas no seu dia a dia. “Ele tem que dar de si e contribuir com os órgãos de classe. Não pode ser covarde e não agir em prol da classe ou da sociedade”
O presidente do Conselho Regional de Medicina de Santa Catarina (CREMESC) , Tanaro Bez, chamou a atenção para as atividades desenvolvidas de forma voluntária pelos 42 médicos do Conselho. “Desde 1958, quando o CREMESC iniciou neste Estado, nunca teve tanta dificuldade para administrar os problemas do nosso cotidiano, pedidos de socorro pela saúde pública e condições melhores. A boa medicina tem que passar necessariamente pela legalidade. Nosso Estado tem plenas condições de oferecer uma boa medicina”.
O presidente do Sindicato dos Médicos do Estado de Santa Catarina (SIMESC) e coordenador do COSEMEC, Cyro Soncini, lembrou que se vive um momento diferente por conta da Copa do Mundo no Brasil e das eleições. Ele defendeu que os médicos não podem aceitar calados a atual situação em que se encontra o país e a imagem da categoria. “Agora poderemos escolher quais políticos nos dirigirão. Se na Copa do Mundo não conseguimos entrar em campo, nas eleições todos estão escalados. Precisamos de um governo que entenda que saúde se faz com médicos e não contra médicos. A hora de mudar é agora”, encerrou Cyro.


  • 1212987334454f45b41188dea6634e34.jpg
    1212987334454f45b41188dea6634e34.jpg
  • 8bdc8b596e6f4d898ab81150fc018de0.jpg
    8bdc8b596e6f4d898ab81150fc018de0.jpg
  • 0d0f2de5c9104bfab97092102c4d24d4.jpg
    0d0f2de5c9104bfab97092102c4d24d4.jpg
  • dbb0da093c454034b2db955c85386397.jpg
    dbb0da093c454034b2db955c85386397.jpg
  •